Revista Sucesso

Atualizado em

Saúde

Tratamento de canal sem dor

Segundo endodontista Naéli Colombo, técnicas modernas garantem tratamento seguro e confortável

Da redação


Naéli Colombo

Dor intensa, comparada à sensação de que o coração está batendo dentro do dente, que se intensifica com o calor ou o frio; dor ao mastigar e gengiva inflamada. Esses são alguns dos sinais que podem indicar a necessidade de um tratamento de canal. Mas não se assuste. Graças às técnicas modernas, o tratamento endodôntico está muito mais confortável e seguro.

É o que nos conta a endodontista Naéli Colombo, que acumula longa experiência na área. Ela explica que, antes do tratamento propriamente dito, uma avaliação minuciosa deve ser conduzida, em que testes de vitalidade pulpar são realizados juntamente com exames complementares associados ao exame clínico e radiográfico. “Isso tudo, somado ao conhecimento científico, à experiência clínica e ao bom senso do profissional, leva a um diagnóstico preciso e possibilita a indicação de uma terapia clínica e o estabelecimento de um prognóstico”, esclarece. A polpa dentária – objeto principal de estudo e trabalho do endodontista – é a estrutura mais interna do dente, protegida pelo esmalte na coroa e pela dentina, tanto na coroa como na raiz. “Ela tem função de nutrir e dar sensibilidade ao dente. Ajuda, portanto, a ‘sentir’ se algo de errado está acontecendo”, afirma Naéli.

O tratamento - O tratamento de canal – que pode ser indicado em casos de cáries muito extensas ou ainda de acidente que provocam a quebra do dente – consiste na remoção de todo o tecido vivo do dente com o auxílio de instrumentos chamados limas. “Após a remoção da polpa, há necessidade de se preencher o interior do dente com um material apropriado para não ocorrer reinfecções no dente.” Logo na primeira sessão, o paciente sente o alívio da dor, o que acaba levando algumas pessoas a interromper o tratamento. Naéli alerta que isso pode complicar a situação, podendo causar a perda do dente ou problemas de saúde mais graves como sinusites, dores de cabeça ou mesmo infecções a distância, como a endocardite bacteriana.

Atualmente, diante de técnicas cada vez mais modernas, o tratamento pode até ser realizado em sessão única. “Afora pequena sensibilidade à dor leve, controlada com analgésicos ou anti-inflamatórios, os tratamentos são bastante confortáveis e seguros. A dor de um dente não tratado é muitas vezes maior do que a dor pós-operatória, tanto que muitos pacientes, após a realização do tratamento, se perguntam por que demoraram tanto pra procurar ajuda. O tratamento endodôntico, ao contrário do que muitos pensam, não dói, pois o profissional fará o uso de anestesia local, mesmo estando inflamada a região. O sucesso da anestesia depende do bom preparo do profissional que irá aplicá-la”, finaliza a profissional.


 Naéli Colombo – Consultório Odontológico Dr. Italo
Avenida Maringá, 725, sala 103
Londrina PR - (43) 3348-1400
www.doutoritalo.com.br

Naéli Colombo, revista bem-estar, sucesso, tratamento de canal, dor
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Dores crônicas têm impacto direto na saúde e...
  2. Dores nos ombros: o que pode ser?
  3. Câncer de mama: ainda um tema cercado por mitos
  4. Tatuagem: prós e contras do procedimento
  5. Depressão e ansiedade: atividades físicas são...