Revista Sucesso

Atualizado em 09/10/2017

Qualidade de vida

Sobre os excessos de hoje

Roupas, sapatos, compromissos e lembranças demais... Não seria mais interessante ficar com as que valem a pena pela alegria que trouxeram e descartar o resto?

Da redação

Um dia desses conversei longamente sobre o tema com uma amiga, enquanto organizávamos objetos que foram doados ao bazar. A sala destinada para esse fim estava vazia à espera de algo e até o final da semana estaria com aparência de loja de variedades.

Falamos do apego em excesso que muitas pessoas têm a certos objetos e roupas, enquanto a ideia é que as pessoas doem os excessos e abram espaço para a entrada do novo. Tudo o que temos em excesso demanda tempo e energia para ser administrado. Temos roupas e sapatos demais, bagunça demais, compromissos demais e lembranças demais - não seria mais interessante ficar com as que valem a pena pela alegria que trouxeram e descartar o resto?

A conversa nos levou à reflexão sobre outros excessos que a vida atual proclama, a começar pelo excesso de informação, de propaganda e de apelo ao consumo. Muita coisa é só ruído e nem deveria merecer atenção, como o excesso de produtos e serviços que também funciona como válvula de escape para alguns.

 Concluímos que o excesso de objetos em casa, por exemplo, poderia advir da falta de lugares seguros para descartá-los. Afinal, como doar um scarpin, um belo casaco, um terno, um vestido de noiva ou uma bolsa clássica numa aldeia, ou para um morador de rua? Por outro lado, acredito que se conseguirmos viver sem excessos, a vida será melhor e mais leve.

Ainda bem que na prática a gente sempre pode fazer alguma coisa para evitar o acúmulo de energia estagnada como, por exemplo, usar aquela louça maravilhosa que está bem guardada há algum tempo, as taças de cristal e todos os outros tesouros escondidos em casa. Essas coisas acabam porque não foram feitas para durar para sempre. O almoço de domingo com a família e as lembranças serão mais importantes que os objetos guardados. Panelas, pratos e copos, assim como roupas, calçados e acessórios esquecidos no fundo do armário, sem uso há mais de um ano, só ocupam espaço. Separe e doe para abrir espaço para o novo.

Não se constranja em doar o que não serve em sua casa. Esses objetos podem ter imenso valor para alguém, desde que sejam depositados em algum lugar que o valorize e não no lixo. Roupas, calçados e outros objetos podem ser doados para projetos sociais. A ideia de deixar em um bazar de trocas é a alternativa perfeita tanto para quem precisa encontrar pessoas que queiram dar mais uma oportunidade para algum objeto em bom estado, quanto para quem precisa desocupar algum espaço em casa, seja no armário, na sala ou na cozinha.

A ideia do bazar de trocas traz outros conceitos embutidos, como o de estimular o consumo consciente, desapegar de muitas coisas materiais, reduzir, reutilizar, reaproveitar e reciclar. Em vez de comprar novos produtos, essa modalidade permite que as pessoas troquem roupas, calçados, bolsas, acessórios, objetos de decoração e livros, além de ajudar quem tanto necessita.

Em Londrina, o bazar de trocas do Resgate recebe doações e faz trocas de roupas e outros objetos que são vendidos a preços módicos. Toda a renda é revertida integralmente, na manutenção das unidades de tratamento a dependentes químicos do Resgate Comunidade Terapêutica https://www.facebook.com/groups/bazardoresgate. Você pode levar sua doação à Av. Portugal 48, Jardim Igapó ou ligar (43) 3321-6238, 3339-7669 para agendar a retirada.

Rosely Archela
Blog Agenda de Casa

>Veja mais textos da colunista aqui.

excessos, agenda de casa, Rosely Archela, Editora Sucesso, Revista Sucesso
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. A perigosa relação entre depressão e as...
  2. Cuidados com seu pet no verão!
  3. Os benefícios da fisioterapia para pacientes...
  4. Cuidados dermatológicos para pacientes com...
  5. Novembro Azul: 8 mitos e verdades sobre o câncer...