Revista Sucesso

Atualizado em 28/09/2017

Qualidade de vida

Quando o inimigo é silencioso pode estar mais perto do que imagina

Médicos explicam sintomas sobre uma síndrome que muitas vezes é tida como simples "frescura" 

Da redação

Muitas vezes você já acorda com aquele cansaço que parece não ter fim? Sente que sua tolerância aos problemas do dia-a-dia está menor? Talvez, sua cabeça viva acelerada e o excesso de pensamentos te perturbem até na hora de dormir? Ou então, percebe que sua produtividade já não é tão boa, que o dia passa e parece que seu trabalho não rende? Ou quem sabe, até sinais de queda de imunidade como gripes ou crises de herpes frequentes? O fato é que vários destes sintomas reunidos podem significar que você está sofrendo da Síndrome de Burnout, também conhecida como "Síndrome do Esgotamento". 

De acordo com o Dr. Ricardo Rocha de Belém do Pará, "a síndrome é resultado do estresse crônico com uma produção excessiva de cortisol e adrenalina por longos períodos, o que acaba com as reservas das glândulas suprarrenais, levando a uma incapacidade orgânica de manter os níveis mínimos de cortisol e de neuro transmissores do bem-estar com seronina, dopamina e GABA", explica.

Segundo a Dra. Eliza Reis, "os principais sintomas apresentados pela síndrome são a sensação de esgotamento físico e emocional – e isso se reflete em todas as áreas da vida por meio de agressividade, isolamento, ansiedade, depressão, pessimismo, baixa autoestima, dificuldade de concentração, mudanças de humor, atitudes negativas, ausências no trabalho, lapsos de memória etc. A pessoa não precisa ter todos esses sintomas para que esteja com a síndrome, mas esses são os mais fáceis de serem notados. Além disso, questões envolvendo a saúde física também podem estar relacionados com a doença, como dores de cabeça e enxaquecas, pressão alta, insônia, dores musculares, problemas estomacais, sudorese, palpitação entre outros", destaca ela.

Por isso, fique atento aos sinais do seu corpo e da sua mente. Não é possível possuir tantos sintomas desse tipo e conseguir viver bem. "Você pode estar se preparando para adoecer gravemente. Reveja o que realmente importa em sua vida. Como está sua alimentação? Como está seu peso e seu condicionamento físico? Que tipo de atividade antiestresse você tem praticado? Quanto tempo você tem dedicado ao lazer e as pessoas que te amam de verdade?", exalta Rocha. 

Atividades físicas regulares e exercícios de relaxamento são de grande auxílio para pessoas que sofrem com o Burnout. Além disso, "a pessoa não deve usar a desculpa de ‘falta de tempo’ para não praticar exercícios ou não aproveitar momentos de lazer. Para isso, a melhor sugestão é: mude seu estilo de vida, assim você previne/trata a síndrome de forma mais natural e saudável, sem precisar partir para tratamentos mais rígidos como psicólogos ou psiquiatras”, finaliza Eliza. 

Fonte: Redação com assessoria de imprensa

síndrome do esgotamento, Síndrome de Burnout, Editora Sucesso, Revista Sucesso,Revista Bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. A perigosa relação entre depressão e as...
  2. Cuidados com seu pet no verão!
  3. Os benefícios da fisioterapia para pacientes...
  4. Cuidados dermatológicos para pacientes com...
  5. Novembro Azul: 8 mitos e verdades sobre o câncer...