Revista Sucesso

Atualizado em 07/02/2018

Educação

Otimismo tem nome!

O que é o otimismo? Serão loucos e insanos os que enxergam o lado bom das coisas? Serão inconsequentes ou cínicos os que apostam num final feliz?

Da redação

Tem uma expressão que eu gosto muito: “nossa confiança vem do Senhor que fez o céu e a terra”! E outra também interessante, tirada do salmo 20: “uns confiam nos carros, outros nos cavalos, eu confio no Senhor”! Quem nos faz sorrir na crise? Quem nos dá alento no desânimo? Quem nos faz ver o sol num dia de nevoeiro? Quem nos leva a acreditar no amanhã? Para o homem bíblico não existem dúvidas! É a fé! É a crença de que não estamos sozinhos!

O que é o otimismo? Serão loucos e insanos os que enxergam o lado bom das coisas? Serão inconsequentes ou cínicos os que apostam num final feliz?

Existem correntes filosóficas que evidenciam uma visão otimista da realidade, como o caso de Leibniz do século XVII. Mas isso não nos interessa agora. O otimismo sempre terá por trás uma visão de mundo e de futuro que não ignorará jamais a constatação das dificuldades presentes. O otimista não é um alienado ou inconsequente. Não deixa também de sofrer com as dificuldades inerentes à sua vida. O otimista não é o preservado do sofrimento cotidiano.  Bem pelo contrário! Ser otimista é acreditar contra tudo e todos! É ter certezas que a ciência não poderá comprovar de imediato. É enxergar o que muitos não conseguem.


Ao chegarmos ao Natal e nos prepararmos para um novo ano, devemos ser otimistas? Qual o combustível que nos faz acreditar em algo melhor? A simples virada de ano, per si, já configura a razão de nossa visão otimista do futuro? Pode ser que a psicologia nos diga que sim. Que a mente reage positivamente a uma mudança de época ou que somos propensos a olhar o amanhã como “uma nova chance” e, portanto, a sermos otimistas! Mas me pergunto, se essas razões, somadas aos sinais ínfimos de melhora da economia ou do processo de mudanças na política brasileira, serão ontologicamente suficientes para uma mudança de humor profundo e seguro!

Pessoalmente sou otimista. Mas não caio mais na armadilha de condicionar minha postura perante a vida, a causas meramente circunstanciais. "Maldito o homem que confia no homem" é outra expressão forte da Bíblia, que encontramos em Jeremias 17. "Não submeterei jamais minha visão de futuro e de mundo, ao humor do mercado ou à alegria que advém de umas boas taças de vinho!" Temos em nós a crença de que Deus conduz a história humana, apesar de suas contradições e paradoxos, a um bom termo. E isto basta-me para me tornar essencialmente otimista e esperançoso. Tenho comigo também, que um bom conhecimento do passado e, portanto, da história, é de bom proveito para fundamentarmos a nossa esperança. Ela radica em última análise, em certezas que nos vêm de vivências anteriores. Experimente olhar um belo tapete de cima, a distância, e verá muito mais do que a formiga que nele caminha...

Pe. Manuel Joaquim R. dos Santos
Pároco da Paróquia Sant'Ana em Londrina

> Veja mais textos do colunista aqui

Otimismo, esperança, fé, Deus, Pe. Manuel Joaquim, Padre, Editora Sucesso, Revista Bem-estar, educação, religião
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Os dois lados da política
  2. Primeira bolsa de criptomoedas empresariais do...
  3. Analfabetismo funcional: como o Brasil vai eleger...
  4. Noruega alia inovação à sustentabilidade
  5. Previdência privada é e opção para garantir...