Revista Sucesso

Atualizado em 07/11/2018

Qualidade de vida

Os benefícios da fisioterapia para pacientes prostatectomizados

Você sabe como a fisioterapia pode ajudar?

Da redação

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, dos pacientes diagnosticados com câncer de próstata,  20% já estão em estágio avançado da doença e a taxa de mortalidade entre este grupo é de 25%. Com isso, a prostatectomia radical, cirurgia de retirada da próstata, é o tratamento mais indicado para cura e diminuição de nova recidiva.

Mas, apesar de ser o método mais eficaz para combater este tipo de câncer, a prostatectomia pode implicar o aparecimento de algumas sequelas, sendo a mais comum delas a incontinência urinária e fecal. Pesquisas apontam que quadros de incontinência urinária acontecem de 5% a 60% dos casos.

 Segundo o fisioterapeuta da clínica Clínica Fisio&Forma, Kalil Zipperer, essas complicações  refletem de forma significativa na vida do paciente, gerando desconforto e até mesmo o distanciando do convívio social. O especialista explica que o paciente deve procurar orientação médica assim que notar esses sintomas.

 Como a fisioterapia pode ajudar?

 Segundo o especialista, a fisioterapia atua nesses casos reativando a musculatura do assoalho pélvico, musculatura essa responsável por impedir a perda involuntária da urina e fezes e que fica fragilizada após a cirurgia.

 “O trabalho fisioterapêutico pode ser realizado por meio de exercícios específicos e recursos, como a eletroestimulação, por exemplo”, diz Kalil a respeito da técnica que utiliza correntes elétricas de baixa intensidade para treinar os músculos.

 Dessa forma, Kalil alerta que quanto mais precoce o tratamento, mais rápida a recuperação e menores os danos sociais causados pela alteração. Segundo ele, o tratamento leva, em média, de 2 a 3 meses e tem seus resultados mais efetivos quando o paciente também segue um cronograma de exercícios em casa.

 Apesar de não existir relação da fisioterapia na prevenção do câncer de próstata, Zipperer explica que o trabalho de atividade física contínuo e bem prescrito trará benefícios ao paciente e, caso necessite ser submetido a cirurgia de próstata, a possibilidade de desenvolver um quadro de incontinência urinária será menor.

 “Além disso, o trabalho de fortalecimento muscular global deve ser realizado mesmo após a cura do paciente, no entanto, a liberação clínica é essencial. Com isso, o melhor tratamento começa na própria prevenção e acompanhamento periódico do homem, deixando de lado tabus e mitos referentes a doença”, aconselha o fisioterapeuta.

Fonte: Kalil Zipperer - Clínica Fisio&Forma,

Fisioterapia, Novembro Azul, prostatectomizados, Câncer de próstata, próstata, editora sucesso, sucesso londrina, revista sucesso, revista bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Cuidados dermatológicos para pacientes com...
  2. Novembro Azul: 8 mitos e verdades sobre o câncer...
  3. Aplicativo chega para revolucionar a farmacinha...
  4. Brasil tem a maior taxa de ansiedade do mundo
  5. Brasil possui maior índice de aprovação em...