Revista Sucesso

Atualizado em

Saúde

Obesidade atinge 19% da população brasileira e 54% está com sobrepeso

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo: a projeção é que, até 2025, mais de 700 milhões de adultos estejam obesos e cerca de 2,3 bilhões com sobrepeso.

Da redação

Nos últimos 10 anos, o número de brasileiros obesos aumentou em 60% e mais da metade da população está acima do peso, segundo dados do Ministério da Saúde. Hoje, a cada cinco brasileiros, um está obeso. A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo: a projeção é que, até 2025, mais de 700 milhões de adultos estejam obesos e cerca de 2,3 bilhões com sobrepeso.  Para diminuir e reverter este quadro, é preciso primeiro que as pessoas entendam que a obesidade é fator de risco para doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer. Estas e outras doenças crônicas correspondem por 72% dos óbitos no país.

Com 13 anos de atuação na área, Maria Aparecida é especialista em fisiologia do exercício e em Nutrição clínica e alimentos funcionais,  com aprimoramentos em nutrição comportamental. A profissional explica: “Hoje, o que eu vejo é que há uma culpa em sentir prazer em comer.” Para ela, esse sentimento tem a ver com o consumo indiscriminado de informações disseminadas pela rede, que nem sempre são verdadeiras. “Muitas dessas informações, mesmo as que se dizem pautadas pela ciência, fazem com que as pessoas façam escolhas alimentícias que não são adequadas para seu estilo de vida”, alerta a especialista.

Procurar ajuda de profissionais qualificados é a melhor decisão quando o assunto é o tratamento da obesidade. Os resultados podem ser potencializados se o paciente for atendido por uma equipe multiprofissional. Na base da pirâmide do tratamento para obesidade estão a reeducação alimentar, a mudança de hábitos e comportamentos e realização de atividade física. Dependendo do caso, pode ser incluído neste processo o tratamento farmacológico, com a recomendação de medicamentos específicos para cada paciente. 

Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o paciente deve primeiramente tentar perder peso com a alteração nos hábitos alimentares e com a prática de exercícios físicos. Se passados dois anos com falha na redução de peso, o paciente deve procurar um médico para avaliar se preenche os requisitos para a realização da cirurgia bariátrica. A principais consequências da obesidade são problemas cardíacos, apneia do sono, Acidente Vascular Encefálico (AVC), aterosclerose, hipertensão arterial, diabetes, distúrbios psicológicos e problemas articulares. Além dos problemas de saúde, a obesidade acaba comprometendo também as atividades mais básicas do dia a dia. 

 Toda privação gera compulsão

Maria Aparecida desenvolve também um trabalho mais específico, voltado à compulsão alimentar. Ela explica que a pessoa com compulsão alimentar come em quantidades exageradas, e muitas vezes vem já diagnosticada e encaminhada pelo psiquiatra. “É um ciclo que começa com a culpa, seguida pela privação (a pessoa deixa de comer), que leva à compulsão, que por sua vez leva novamente à culpa. Por isso dizemos que toda privação gera compulsão.” Aí entra também a individualidade de cada paciente: “Para uma pessoa que sofre episódios diários de compulsão, por exemplo, conseguir reduzir para três vezes por semana já é um grande avanço”, explica a nutricionista.

Veja abaixo 5 dicas de reeducação alimentar 

·         Não existem alimentos proibidos. Existem, porém, aqueles que não devem ser consumidos constantemente, como frituras, industrializados e aqueles com excesso de açúcar ou gordura aparente.

·         Comece pela limpeza de seu organismo consumindo muita água. A recomendação da Organização Mundial de Saúde é que se consuma 2 litros de água por dia.

·         Não pule as refeições. Café da manhã, almoço e jantar são as mais importantes.

·         Faça lanches intermediários. Este hábito irá ajudar a consumir uma quantidade menor de comida e escolher os alimentos certos nas principais refeições.

·         Mastigue lentamente. A mastigação é muito importante no processo de reeducação alimentar. Tente realizar as refeições principais em, pelo menos, 20 minutos. Mastigando lentamente, a sensação de saciedade aparecerá mais rápido e, consequentemente, a quantidade ingerida será a ideal para aquele momento.


Fonte: Redação Sucesso e Assessoria de Imprensa

Obesidade, Editora Sucesso, Revista Sucesso, Revista Bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Dores crônicas têm impacto direto na saúde e...
  2. Dores nos ombros: o que pode ser?
  3. Câncer de mama: ainda um tema cercado por mitos
  4. Tatuagem: prós e contras do procedimento
  5. Depressão e ansiedade: atividades físicas são...