Revista Sucesso

Atualizado em 07/01/2019

Saúde

O CRESCIMENTO DO MEU FILHO ESTÁ NORMAL?

A avaliação do crescimento de crianças e adolescentes é motivo frequente de consulta com endocrinopediatra. Antes de abordarmos os problemas relacionados com o crescimento é importante entendermos alguns aspectos do crescimento normal.

Da redação

            A fase em que a criança cresce mais intensamente é o período intrauterino. Após, no primeiro ano de vida, a criança cresce em média 25cm. Já no segundo ano de vida, o ganho de estatura é de 12cm. Do terceiro ano em diante a média é de 5 a 7cm, e volta a acelerar na fase da puberdade com ganho de 8 a 12 cm ao ano - conhecido como estirão da puberdade. Vale ressaltar que na adolescência há grande variabilidade física entre os indivíduos de uma mesma idade, uma vez que a entrada na puberdade não se dá de maneira uniforme. Além de ocorrer mais cedo nas meninas do que nos meninos, existe uma ampla variação na idade do início da puberdade (de 8 a 13 anos em meninas e de 9 a 14 anos em meninos), levando a uma maior diversidade entre os adolescentes, o que  muitas vezes gera dúvidas e angústia aos pais e pacientes.

            Nos dois primeiros anos de vida o componente nutricional é o mais importante para um crescimento e desenvolvimento adequado, enquanto que a partir desta idade, além do fator nutricional, o hormônio do crescimento assume a sua maior importância até a instalação da puberdade, quando então, juntamente com os hormônios puberais, são os responsáveis por esta ação. Mas não só eles são importantes, pois os fatores genéticos, atividade física, sono em horário adequado, doenças preexistentes, uso de medicamentos e fatores psicológicos também influenciam.

             A criança deve ser avaliada frequentemente pelo pediatra que irá realizar a medida do peso e estatura e irá comparar esses dados nos gráficos específicos. Caso a estatura esteja abaixo do esperado em relação à média da população nos gráficos de crescimento de referência, ou a altura é inferior ao alvo genético, estaremos diante de um caso de baixa estatura. Dessa forma, a criança deve ser avaliada pelo endocrinopediatra para que seja realizada a investigação adequada e tratamento.



Dra. Karina Khater Martins,
endocrinologia pediátrica,
CRM-PR 26.634 | RQE 18040

Editora Sucesso, Sucesso Londrina, Revista Sucesso, Revista Bem-estar, Dra Karina Khater Martins, Dra Karina Khater Martins Londrina, Medicina, Londrina, Endocrinologia Pediátrica, Pediatria, Endocrinologia
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Cuidados com a saúde não devem ser...
  2. Como os mais velhos podem blindar suas emoções...
  3. Cardiopatia congênita afeta 29 mil crianças/ano...
  4. Dores crônicas têm impacto direto na saúde e...
  5. Dores nos ombros: o que pode ser?