Revista Sucesso

Atualizado em 19/02/2018

Estilo de vida

Nossos filhos saíram de casa, e agora?

Conheça alguns dos sentimentos descritos por muitos pais ao viverem essa experiência, conhecida como “Síndrome do Ninho Vazio”.

Da redação


Você entra no quarto e seu (sua) filho (a) não está mais lá. Na hora das refeições é quase automático colocar o prato dele ou dela no lugar de sempre. Mas, daí você se lembra que ele ou ela já não mora mais com você. Quantas sensações misturadas: solidão, tristeza e saudades são alguns dos sentimentos descritos por muitos pais ao viverem essa experiência, conhecida como “Síndrome do Ninho Vazio”.

 Os sintomas físicos e mentais associados à partida dos filhos podem afetar homens e mulheres, e tanto faz se a mulher trabalha fora ou não, se o homem ajudou mais ou menos na criação dos filhos. É uma fase da vida de um casal que pode gerar tristeza, vazio, sensação de inutilidade, sentimento de culpa, entre outros sintomas, impactando na rotina, na relação deste casal, podendo até levar à depressão.

 É um momento que a função parental perde sua importância da forma como vinha sendo exercida, já que não há mais filhos para serem cuidados. A forma de lidar com a partida dos filhos é muito particular, ou seja, nem todos irão se sentir tristes ou irão desenvolver depressão.

 “Há sim casais que enxergam a saída dos filhos como um momento de maior liberdade para se dedicarem a outros projetos e ao próprio casamento. Entretanto, todos, de alguma maneira, são afetados. É fundamental neste momento que o casal encontre novas possibilidades de funcionar”, explica apsicóloga Denise Miranda de Figueiredo.

 Um novo acontecimento requer novos posicionamentos

Como toda mudança na vida, a saída dos filhos de casa irá demandar do casal um processo de adaptação à nova fase da relação. “Devemos lembrar que criamos os filhos para o mundo e não para nós. O dia em que eles irão deixar o ‘ninho’ e se aventurar no mundo irá chegar, mais cedo ou mais tarde, em todas as famílias”, comenta a psicóloga Marina Simas de Lima.

 “Por isso, é muito importante que desde cedo os pais deem autonomia aos filhos e se dediquem também a vida a dois, assim como a seus interesses e atividades pessoais. Certamente, casais que se dedicam exclusivamente aos filhos, deixando de lado sua individualidade e descuidando da conjugalidade, podem ter mais dificuldade em enfrentar a partida dos filhos”, refletem as especialistas.

 Ninho vazio x nova oportunidade

Segundo as especialistas, que atuam há mais de 20 anos como terapeutas de casal e família, quando os filhos saem de casa é preciso pensar que é o momento de escrever um novo capítulo na história de vida, tanto do casal, quanto na individual.

 “O casal precisa lembrar que é um momento especial para o filho, já que ele ou ela estará construindo também esse novo capítulo em sua vida. É uma boa oportunidade de dedicar mais tempo e energia para buscar novas experiências, novos projetos” pessoais e conjugais, e quem sabe descobrir um novo jeito de exercitar a paternidade e ou maternidade de filhos autônomos, adultos e que vivem em casas diferentes das suas”, comenta Marina e Denise.

 A dica é tentar ver essa nova fase da vida como uma oportunidade para todos desta família, se reinventarem. E este casal, certamente, merece os parabéns por ter educado e criado filhos que se tornaram autônomos e que estão construindo suas próprias histórias. Parece que vocês, pais, fizeram um bom trabalho!

Fonte: Editora Sucesso | Agência Health

filhos sairam de casa, sindrome do ninho vazio, editora sucesso, revista sucesso, revista bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Vozes da Cidade apresenta David Mour em Londrina
  2. A vida severa que mata os Severinos
  3. Ginastas de Londrina são campeãs sul-americanas...
  4. “O Grito Negro Londrinense”, do artista...
  5. Sesi Cultura leva “Contos do Mar” a 13...