Revista Sucesso

Atualizado em 08/01/2019

Educação

MOVIMENTO LIVRE DOS BEBÊS: desenvolvimento e aprendizagem

Segundo a socióloga e pedagoga Luciana Moura Zangaro é muito importante deixar a criança em um espaço seguro para que ela se movimente livremente

Da redação

         Na Educação Infantil de 0 a 3 anos alguns princípios básicos devem ser respeitados. As instituições devem considerá-los sempre que forem planejar os espaços e os materiais. São eles: a motricidade livre, o vínculo afetivo, o brincar e a autonomia.

         Vamos falar da motricidade livre, também chamada de Movimento Livre. O movimento livre propicia a autonomia e o brincar. Não se trata somente de deixar a criança brincar livremente e, sim, da atitude do adulto, dos espaços e dos materiais oferecidos para as crianças.

         Nessa perspectiva, acredita-se que não se ensina motricidade, o desenvolvimento motor se dá a partir do processo de maturação e das experiências que o bebê realiza para formar sistemas de equilíbrio. Quando a criança conquista uma posição com o corpo (sentar, ficar em pé) ou um movimento (rolar, engatinhar, andar, subir, descer) por ele mesmo, através de ações exploratórias, ela desenvolve o sentimento de competência.

       Assim é muito importante deixar a criança em um espaço seguro para que ela se movimente livremente. De acordo com Emmi Pikler, o desenvolvimento motor se produz de modo espontâneo, mediante a atividade autônoma, em função da maturidade orgânica e nervosa. Sendo assim, as crianças com boa saúde física e psíquica passam por todas as etapas da motricidade por sua própria conta e em determinada ordem, sem que os adultos precisem ensiná-las a sentar, engatinhar ou mesmo andar. Não é bom adiantar nenhuma fase, nem colocar a criança em uma posição que não tenha sido conquistada por ela mesma.

         Ao educador cabe a organização do espaço para que seja ao mesmo tempo seguro, instigante; a escolha dos materiais adequados a cada faixa etária; o acompanhamento o tempo todo, sem, no entanto, interromper a pesquisa das crianças para propor outras formas de exploração dos objetos.

         O bebê que aprende por ele mesmo a se movimentar e a buscar realizar suas metas são capazes de passar horas brincando e explorando sozinhos. E, principalmente, se divertindo a cada nova descoberta e conquista. Objetos pouco estruturados, como blocos de madeira, tecidos, elementos naturais, latas, etc. podem se transformar em muitas coisas. Ou seja, quando permitimos que os bebês criem e se desenvolvam “naturalmente” em um ambiente  rico de possibilidades, com adultos que ele confia e se sente seguro, estamos ajudando a formar pessoas mais confiantes e que se sentem competentes no mundo.


Luciana Moura Zangaro
Socióloga e Pedagoga

Diretora na Galileo Kids Escola Especializada em Educação Infantil que atende em duas unidades: Unidade Baby (6 meses a 3 anos); Unidade Fênix (de 3 a 5 anos)

Editora Sucesso, Sucesso Londrina, Revista Sucesso, Revista Bem-estar, Londrina, Luciana Moura Zangaro, Pedagogia, Educação,Aprendizagem, Bebês, Desenvolvimento
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. O BRASIL MERECE MAIS!
  2. Confiança que gera esperança
  3. Um hiato entre o medo e a esperança
  4. Desenvolver a criatividade é preparar para...
  5. O Brasil tem um compromisso com o mundo