Revista Sucesso

Atualizado em 08/08/2016

Qualidade de vida

Mamoplastia de Aumento: qual a melhor técnica?

Cirurgião plástico Diego N. Tannouri explica como são feitas as indicações quanto ao posicionamento da prótese

Da redação


O cirurgião plástico Diego Nicastro Tannouri, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP)

Com técnicas cada vez mais aprimoradas, a cirurgia plástica está aí para realizar o sonho de quem não está completamente satisfeito com o próprio corpo. No Brasil, a mamoplastia de aumento ainda figura entre os procedimentos de cirurgia plástica mais realizados, com uma pequena mudança de comportamento: a busca pela ‘naturalidade’ tem aumentado a procura por próteses menores, ao ponto de muitas mulheres decidirem trocar a antiga prótese por uma de menor volume. O cirurgião plástico Diego Nicastro Tannouri, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), explica ainda que, além de aumentar o volume das mamas, o procedimento pode também ser realizado em forma de cirurgia reparadora, em pacientes que foram submetidas a mastectomia, ou para corrigir assimetrias mamárias.

O cirurgião explica que, de acordo com as necessidades de cada paciente e o tipo de resultado desejado, estão disponíveis três indicações de técnica de colocação do implante mamário, que diferem quanto ao posicionamento anatômico da prótese: retroglandular, subfascial e retromuscular. “Na posição retroglandular, o implante é colocado logo abaixo da glândula mamária e sobre a fáscia, que reveste o músculo. Já no caso da posição subfascial, a prótese é posicionada entre a fáscia e o músculo. E no terceiro e último caso, o implante de silicone fica abaixo do músculo, técnica indicada para quem procura um resultado mais natural”, explica.

O médico esclarece que a indicação quanto ao posicionamento da prótese depende também das características de cada paciente. “Quando a paciente tem pouco tecido mamário, a indicação é pela colocação abaixo do músculo, o que diminui o índice de contratura capsular”, aponta. Por contratura muscular, entende-se a perda da elasticidade da cápsula que envolve a prótese, formada pelo próprio corpo como uma reação natural à presença de qualquer material sintético, como o silicone, no organismo. Felizmente, segundo o cirurgião plástico, esta complicação é hoje menos frequente, graças à tecnologia das novas próteses desenvolvidas com superfície texturizada. O especialista acrescenta ainda que, ao contrário do que muitos pensam, a cirurgia de mamoplastia não interfere no processo de amamentação, desde que realizada corretamente.

Quem está pensando em investir na mamoplastia deve preparar-se não só para a cirurgia, mas para seguir à risca as recomendações de cuidados pré e pós-operatórios, segundo o especialista. “Muita hidratação da pele, antes e depois da cirurgia, para ajudar a evitar a formação de estrias. No pós-operatório, a paciente deve evitar esforço físico por 30 dias. Nada de levantar peso ou dirigir”, recomenda o médico.

Diego Nicastro Tannouri
cirurgião plástico CRM/PR 25586

revista bem-estar, Sucesso, Mamoplastia, Cirurgião plástico, Diego N. Tannouri
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. A perigosa relação entre depressão e as...
  2. Cuidados com seu pet no verão!
  3. Os benefícios da fisioterapia para pacientes...
  4. Cuidados dermatológicos para pacientes com...
  5. Novembro Azul: 8 mitos e verdades sobre o câncer...