Revista Sucesso

Atualizado em 11/07/2017

Empresas e negócios

Escute os hereges

A solução às vezes já está ali, só não há chance para que os colaboradores apresentem suas propostas.

Da redação

Caso a sua companhia precise passar por uma grande transformação – e rápido –, uma das saídas pode ser simplesmente começar a escutar aquelas pessoas que são vistas como hereges. Ou seja, dar crédito a quem fala coisas que soam divertidas e despropositadas para a maioria, ou então, que tem sido encarado como inimigo por quem já está no negócio há anos.

Muitas empresas perdem a chance de se reinventar porque o pensamento racional as domina. Mesmo que o discurso público alimente o “pensar fora da caixa”, na prática ninguém se arrisca porque sabe que se trata apenas de blá-blá-blá.

Trabalhando como consultor há quase duas décadas, várias vezes me deparei com pessoas dizendo: “Eu tenho algumas ideias para resolver esse problema”. E o que fiz foi simplesmente escutá-las e depois, junto à direção da empresa, dar força àquilo que diziam há um bom tempo. A solução já estava ali, só não havia clima para que esses colaboradores apresentassem suas propostas.

 Na maior parte das empresas há uma série de regras tácitas sobre o que pode e o que não pode ser dito ou feito. E como as pessoas geralmente aprendem cada uma delas? Basicamente, acompanhando com atenção o que leva alguém a ser considerado incrédulo ou acabe “jogado na fogueira”.

Mas é claro que você precisa ter discernimento para compreender quem é herege e quem apenas é um equivocado de quinta categoria. Ninguém deve perder seu tempo escutando aquele tipo de gente que apenas pretende causar confusão por onde passa. Aliás, enquanto o herege é propositivo e entusiasmado com a possibilidade de uma nova ordem das coisas, o equivocado se contenta em tecer críticas ao trabalho dos outros, mesmo quando não tem a mínima ideia do que fazer de diferente.

 Também é preciso estar atento se existem vacas sagradas na companhia. Isto é, pessoas que você não está a fim de demitir de maneira alguma, mas que só reforçam o jeito tradicional de fazer as coisas, boicotando todo tipo de iniciativa de mudança. Será que os resultados que essas pessoas alcançam cobrem os custos que elas provocam para a organização?

 É muito difícil transformar uma empresa se você não quer abrir mão de algumas pessoas que hoje atrasam o crescimento de todos, afinal a saída de uma vaca sagrada é o maior atestado da mudança. “Se até Fulano foi desligado, não há dúvida de que o projeto X é pra valer”, passa a ser o tipo de conversa que se ouve pelos corredores, superando o ceticismo.

 Praticamente todas as empresas, inclusive a sua, têm pelo menos uma pessoa com potencial para abordar questões que a maior parte dos colaboradores encara como grandes heresias. Você só precisa sentar hoje mesmo com quem trabalha no seu negócio há menos de noventa dias e lhe perguntar: “O que você faria de diferente se estivesse no meu lugar?”

 Desafiar o status quo e vencer os padrões dominantes é um desafio e tanto para qualquer empresa e dirigente. Porém, o trabalho fica um pouco menos complexo quando alguém nos alerta acerca das pequenas e importantes coisas que insistimos não ver ou fazer.

 Wellington Moreira
Palestrante e consultor empresarial

> Veja mais textos do colunista aqui

Escute os hereges, Palestra empresarial, Wellington Moreira, Empresas e Negócios,
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Editora Sucesso cria e implanta sites...
  2. Por um Federalismo Igualitário
  3. O Líder Antifrágil
  4. Ambientes de trabalhos felizes aumentam em 12% a...
  5. A copa e o desenvolvimento humano