Revista Sucesso

Atualizado em

Empresas e negócios

Empresários apostam em startups e coworkings

Em busca de credibilidade e baixos custos, uma startup descobre um mundo de benefícios e possibilidade

Da redação

Dois dos termos da moda com certeza são startup e coworking (ou escritórios colaborativos), mas o que poucos perceberam é que a união desses dois ocorre de maneira perfeita para quem está se iniciando no mundo dos negócios. Para entender melhor é importante se aprofundar nos termos.

Uma startup é uma empresa recém criada, ainda em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercados. O termo tornou-se popular internacionalmente durante a bolha da internet, quando um grande número de "empresas.com" foram fundadas. São empresas baseadas na tecnológica, e com grande espírito empreendedor e uma constante busca por um modelo de negócio inovador.

Já os espaços de coworking são os escritórios compartilhado, ou seja, vários profissionais dividem o mesmo espaço na busca de compartilhar ideias e dividir os custos. Só isso já aponta para a forte relação de ambos, não?

Por serem empresas em início, uma das dificuldades das startups é a falta de capital para ter um local adequado de trabalho. Elas geralmente nascem na garagem da casa dos pais, o quarto da república e os cafés dos shoppings, porém esses espaços possuem sérias limitações quando a empresa começa a ganhar corpo, a montar sua equipe e atender clientes.

Mesmo com esse crescimento, na maioria das vezes não vale a pena pagar o aluguel de um escritório para uma equipe enxuta que, às vezes, é formada por somente duas ou três pessoas. Assim, fica óbvio a relação estabelecida entre esses dois termos, sendo que em espaços compartilhados as startups ganharam novas possibilidades para tirar as ideias do papel, sair da garagem e começar a crescer.

Mas, é só isso? Não, na verdade esse ponto tem se mostrado como a ponta de um enorme iceberg, pois, ao buscar o coworking em busca de credibilidade e baixos custos, uma startup descobre um mundo de benefícios e possibilidade. Só para citar alguns:

Foco no negócio

Em um coworking é entrar e trabalhar, o seja, não tem que fazer reforma e ter preocupação com infraestrutura, está tudo lá, telefone, internet, estação de trabalho, equipe de limpeza e tudo mais que pode esperar um grande escritório

Flexibilidade

Sua startup vai crescer, e espaços compartilhados pode acompanhar esse crescimento sem a necessidade de mudança de endereço. Os ambientes de coworking podem ajustar seu espaço de trabalho sem grandes impactos financeiros.

Contratos descomplicados

Um contrato de aluguel é geralmente uma grande dor de cabeça, para obtenção de salas comerciais estipula um mínimo de um ano de permanência. No coworking os pacotes podem ser feitos e reajustados a qualquer momento, encontrando o melhor modelo que se adequa à sua necessidade, mesmo se você desejar renovar mensalmente.

Networking

Ao iniciar um negócio se precisa de contatos e esse é um grande benefício de um coworking sobre o homeoffice. Em sua volta estarão diversos profissionais que podem suprir uma necessidade de sua empresa ou que pode te indicar. O ambiente de coworking permite que surja um mar de novas oportunidades!

Conhecimento compartilhado

Os principais espaços proporcionam a troca de conhecimento em seus próprios ambientes, nos cafés ou em workshops e cursos sobre empreendedorismo, como iniciar uma startup e dicas sobre marketing para pequenas empresas, por exemplo. É só saber aproveitar.

Startups: como fazer o negócio dar certo?

As startups continuam sendo as apostas do mundo dos negócios e vêm ganhando cada vez mais espaço e incentivo no Brasil: nesta semana, a Financiadora de Pesquisas e Estudos (Finep), do Ministério da Ciência e da Tecnologia, anunciou um plano para investir em pelo menos 50 startups no país que faturem até 3,6 milhões anuais (cada uma receberá até R$ 1 milhão).  Fomentar o mercado é essencial, porém, é preciso estratégia além do capital para sobreviver — pesquisa do Sebrae mostra que 50% das startups no Brasil morrem em menos de cinco anos.

 São vários fatores que levam a esse alto porcentual, mas há quatro principais:

- Produtos pouco criativos
- Capital insuficiente/ausência de viabilidade do negócio
- Sócios sem sintonia
- Equipe despreparada.

Ainda há uma falta de preparo do empreendedor para o mundo dos negócios. Uma preparação adequada economiza muito tempo e dinheiro. O empreendedor não pode negligenciar o estudo e a sua preparação como executivo, inclusive buscando experiências anteriores. Como a startup já nasce com vocação para grandes proporções e alcance, os erros podem causar impactos significativos. Os erros de gestão e estratégia, na administração e no controle e prioridade de gastos e fluxo financeiro e no acordo com acionistas devem ser tratados com o devido cuidado.

O empresário que começou uma startup deve buscar em primeiro lugar uma organização de apoio a empreendedores e consultar empreendedores com experiência, para aprender o máximo que puder. Um empreendedor de sucesso jamais deixa de aprender e buscar fontes de aperfeiçoamento. O empreendedorismo é, acima de tudo, uma postura. 



Fonte: Redação com Assessoria de Imprensa

Startups:, Empresas, Negócios, Editora Sucesso, Revista Sucesso, Revista Bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Editora Sucesso cria e implanta sites...
  2. Por um Federalismo Igualitário
  3. O Líder Antifrágil
  4. Ambientes de trabalhos felizes aumentam em 12% a...
  5. A copa e o desenvolvimento humano