Revista Sucesso

Atualizado em

Saúde

Em que casos a reposição hormonal é recomendada para homens? E por quê?

Quando bem indicada, e feita com acompanhamento médico, a reposição hormonal traz benefícios aos homens como melhora da libido, perda de peso, aumento da massa muscular e da densidade óssea

Da redação

A reposição hormonal masculina é um tema considerado repleto de tabus e dúvidas para muitos homens. O distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM), ou andropausa, decorre da diminuição da produção de testosterona, hormônio masculino produzido nos testículos.

Os níveis de testosterona no homem começam a diminuir, a partir dos 40 anos de idade, com o envelhecimento. Mas não é somente a diminuição da produção que causa a escassez do hormônio. Com o envelhecimento masculino, passa a haver aumento de certas proteínas sanguíneas de transporte, que se unem à testosterona e assim bloqueiam o hormônio, impedindo que fique livre para exercer sua ação biológica. Outros fatores também podem desencadear esta baixa da testosterona:  atrofia testicular decorrente de cirurgias, uso de medicamentos antiandrogênicos e alguns usados no tratamento de câncer, torção do testículo, presença de varizes escrotais e obesidade.

O quadro normalmente evolui de maneira lenta e progressiva e se acentua de acordo com o grau de deficiência e com o tempo de permanência dos baixos níveis de androgênios. A deficiência de testosterona se manifesta clinicamente por múltiplos sintomas, como queda do desempenho físico e mental, depressão, ansiedade, irritabilidade e dificuldade de concentração, redução do desejo (libido) e da capacidade de ereção,  ausência de ereções espontâneas pela manhã e  infertilidade. Pode ainda causar mudanças do padrão masculino de pelos (crescimento reduzido da barba e diminuição de pelos), perda de massa muscular e aumento da distribuição de gordura, com acúmulo no abdômen.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, cerca de 15% dos homens entre 50 e 60 anos têm a deficiência androgênica (diminuição da produção de testosterona). Aos 80 anos, este índice passa para 50%. O diagnóstico é feito pelo histórico clínico do paciente, pelo exame físico, exames laboratoriais e por meio do espermograma (se necessário). Quando bem indicada, e feita com acompanhamento médico, a reposição hormonal traz benefícios aos homens como melhora da libido, perda de peso, aumento da massa muscular e da densidade óssea

Para os homens que tenham câncer de próstata, insuficiência cardíaca, apneia do sono e epilepsia, este tratamento não é recomendado. Se ele estiver neste grupo, o médico deverá ser informado para que indique alternativas que beneficiarão a saúde do paciente. Além disso, uma dieta equilibrada, aliada à prática de exercícios físicos regulares, boa qualidade do sono, controle do peso e a não utilização de cigarros, são hábitos que compõem uma vida saudável que ajudarão a retardar o aparecimento da deficiência na produção do hormônio masculino.

Danielle Muller Fabretti
CRM/PR - 37432
Endocrinologia e Metabologia

Reposição hormonal, reposição hormonal para homens, Danielle Muller Fabretti, Endocrinologia, metabologia, Editora Sucesso, Revista Sucesso, Revista Bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Dores crônicas têm impacto direto na saúde e...
  2. Dores nos ombros: o que pode ser?
  3. Câncer de mama: ainda um tema cercado por mitos
  4. Tatuagem: prós e contras do procedimento
  5. Depressão e ansiedade: atividades físicas são...