Revista Sucesso

Atualizado em 04/05/2017

Saúde

Disfunções miccionais afetam a vida do homem

Os problemas enfrentados no trato urinário podem ser tratadas, explica o Dr. José Fabretti

Da redação

Como você se sentiria numa dessas situações: com a urina presa ou urinando  a toda  hora? Ou com incontinência urinária mesmo? Ou, por não conseguir urinar, ter que colocar uma sonda para poder urinar?  Esses são problemas que podem afetá-lo se o seu sistema urinário não estiver  funcionando  bem. Sempre pensamos que o ato de urinar é  muito simples  e fácil.  Na realidade, é muito complexo, por isso, vale a pena entender como funciona a micção.
Primeiramente, temos a bexiga, que recebe a urina  vindo do rim através do ureter, que  é  um depósito  de urina  com capacidade  de  400 ml; e  a   uretra, que é  por  onde eliminamos  a urina. O trato urinário, composto pela uretra, bexiga, ureter e rins, funciona através de nervos que ligam  a  bexiga, os  esfíncteres  externos  e internos   localizados  antes  e depois da próstata, que  ficam  abaixo da bexiga  e no final da próstata. Todos esses sistemas  são  interligados  via  nervos até  a coluna  vertebral  e ao sistema nervoso central. Quando você  sente vontade de urinar por estar com a bexiga  cheia,  é  emitido ao  cérebro um  aviso  que  você  tem  que  urinar,  então vai  até o banheiro  e urina, mas para  urinar  os esfíncteres que controlam a micção  são  relaxados  e a bexiga, que  tem uma  camada  muscular,  recebe ordem  para  contrair e, então, você urina  e, no  final  da micção,  a bexiga  avisa  ao cérebro  que está vazia e  ela  se relaxa. Isto é, o músculo não se contrai mais e os esfíncteres da micção se contraem e você para  de urinar.
Os problemas enfrentados nos distúrbios de micção têm causas múltiplas,  afetando desde  o nascimento como, por  exemplo, no caso de mielomeningocele que  causa  a bexiga neurogênica, devido a um defeito congênito que afeta a espinha dorsal, no qual  os impulsos  da bexiga para urinar  não chegam ao sistema nervoso central, e crianças com este problema necessitam de manobras,  medicação  ou sonda  para  urinar e,  se não forem tratadas devidamente, poderão sofrer quadro de insuficiência renal e outras complicações.
Encontramos muitos casos de bexiga neurogênicas causados por acidentes automobilísticos, principalmente com motocicletas, que provocando lesão por fratura  de coluna levam à paraplegia, isto é, a pessoa perde  todas a funções  das pernas e, com isso, perde também  o controle da micção  e evacuação.
A doença de Parkinson afeta de modo importante o sistema  urinário, simulando  que o problema seja uma hipertrofia de próstata, e, neste  quadro,  as medicações  não produzem o efeito desejado.
Os homens, com a evolução da idade, sofrem alterações miccionais provocadas pela hipertrofia (crescimento) da próstata, comum no homem após os 40 anos. A partir daí, vão se intensificando os sintomas de alteração miccional como a polaciúria (urinar várias  vezes  em pequena quantidade), noctúria (levantar  várias vezes à noite para urinar) e, também, a incontinência por urgência (quando a bexiga avisa que  está cheia e você não tem  tempo de chegar ao banheiro).  Normalmente, o homem já está sendo acompanhado pelo urologista e esses sintomas são minimizados pelos medicamentos usados para este fim.
Mas muitos homens ainda  hoje só  procuram  assistência especializada quando  já  estão  com esses  sintomas  em nível avançado ou  já estão em retenção urinária  e,  provavelmente,  vão necessitar de  uma  cirurgia  para a correção.
A  cirurgia da próstata sob qualquer  técnica  tem resultado  muito bom,  devolvendo ao homem a micção com um jato forte, porém num porcentual pequeno dos casos o paciente permanecerá com incontinência urinária, necessitando de  medicamentos  e ou fisioterapia para  controle  miccional.
Não podemos  esquecer  também  a diabete,  que  é  a grande  vilã  neste mundo  moderno, atingindo grande  porcentagem da população mundial e os homens  também são  muito afetados. Em casos  de diabete  sem o tratamento adequado, a disfunção acaba  levando  o homem a alterações miccionais importantes, chegando  até a incontinência urinária, necessitando-se  o acompanhamento  dos cuidados de um endocrinologista, associado  ao urologista e, acima de tudo, da parceria  do paciente para o sucesso do tratamento  proposto. A  melhora  da qualidade de vida vem com a perda de peso,  dieta  adequada  e exercícios regulares.
Sua qualidade de vida pode ser muito  afetada  pelos distúrbios miccionais, mas em quase a totalidade dos casos pode ser corrigida. Não nos esqueçamos que as sequelas de defeitos de nascimento, acidentes, câncer nas regiões  perto da bexiga e distúrbios neurológicos poderão  trazer  problemas para  o resto da vida e a correção só será parcial. Por isso, sempre procure orientação médica especializada   durante  todo o tempo  para  sua recuperação.

José Renato Fabretti - Urologista
CRM/PR 6361 -  Londrina/PR

Disfunção miccional, Disfunções miccionais, Disfunção Londrina, Urologista, Urologia Londrina
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Dores crônicas têm impacto direto na saúde e...
  2. Dores nos ombros: o que pode ser?
  3. Câncer de mama: ainda um tema cercado por mitos
  4. Tatuagem: prós e contras do procedimento
  5. Depressão e ansiedade: atividades físicas são...