Revista Sucesso

Atualizado em 21/02/2017

Arquitetura & decoração

Designer de interiores: Reconhecimento da Capacitação Profissional

Por meio da Lei nº 13.369/2016 , foi disciplinada a profissão de designer de interiores e ambientes, assim considerado o profissional que planeja e projeta espaços internos, visando ao conforto, à estética

Da redação

Aprovação da Lei nº 13.369/2016 possibilitou estabelecer parâmetros que não existiam, como tabelas de valores e código de ética.

O crescimento da construção civil nas últimas décadas, em especial o aumento na procura pelo segmento imobiliário, trouxe reflexos positivos para a área de design de interiores, ganhando maior visibilidade. A aprovação da Lei nº 13.369/2016, que reconhece e garante o exercício da profissão de designer de interiores, é um exemplo disso.

A aprovação da Lei possibilitou estabelecer parâmetros que não existiam, como tabelas de valores, código de ética, entre outros itens que podem auxiliar o trabalho dos designers. "A partir de agora, a classe passa a ter maior engajamento e um respaldo que não havia. Com isso, a categoria fica mais fortalecida por conquistar o respeito e seriedade que a profissão exige", afirma Larissa Camargo, coordenadora do curso de Design de Interiores da EAD Unicesumar.

Outro ponto relevante é o reconhecimento da capacitação profissional. Larissa explica que um espaço bem projetado pede uma visão mais ampla do bom senso dos decoradores, aliada aos conhecimentos multidisciplinares dos engenheiros e arquitetos. Por isso, a Lei estabelece competências e fixa princípios que competem ao designer de interiores.
"O designer reúne todas as habilitadas necessárias para aplicar às técnicas em um único espaço, de forma estética e funcional, alinhando ergometria, conforto, saúde e segurança dos usuários", diz a coordenadora de curso.

Já para Adricéia Antunes Piton, acadêmica do 2º ano do curso de Design de Interiores da EAD Unicesumar, com a Lei, o profissional passa a ter mais oportunidade, segurança e autonomia para atuar no mercado de trabalho. "Antes qualquer pessoa podia decorar um espaço. No entanto, projetar um ambiente exige um processo de desenvolvimento que envolve conceitos, detalhamentos e alguns cuidados que vão além da decoração por si só. Por isso, é preciso ter capacitação para trabalhar na área", afirma.

O profissional pode desenvolver e executar projetos voltados para áreas internas de residências, comércio, indústrias, veículos, barcos, entre outros. Também é responsável pela elaboração de plantas, elevações e perspectivas de apresentação ao cliente e especificações de produtos, bem como orçamentos, contratação de profissionais e empresas para a execução dos trabalhos sob sua supervisão, entre outras atividades.

Por meio da Lei nº 13.369/2016 , foi disciplinada a profissão de designer de interiores e ambientes, assim considerado o profissional que planeja e projeta espaços internos, visando ao conforto, à estética, à saúde e à segurança dos usuários, respeitadas as atribuições privativas de outras profissões regulamentadas em lei.

Compete ao referido profissional, entre outras atribuições: 

  1. Estudar, planejar e projetar ambientes internos existentes ou pré-configurados de acordo com as normas técnicas de acessibilidade, de ergonomia e de conforto luminoso, térmico e acústico devidamente homologadas pelos órgãos competentes;
  2. Planejar ambientes internos, permanentes ou não, inclusive especificando equipamento mobiliário, acessórios e materiais e providenciando orçamentos e instruções de instalação, respeitados os projetos elaborados e o direito autoral dos responsáveis técnicos habilitados;
  3. Compatibilizar os seus projetos com as exigências legais e regulamentares relacionadas a segurança contra incêndio, saúde e meio ambiente;
  4. Assessorar nas compras e na contratação de pessoal, responsabilizar-se pelo gerenciamento das obras afetas ao projeto de interiores e na fiscalização de cronogramas e fluxos de caixa, mediante prévio ajuste com o usuário dos serviços;
  5. Prestar consultoria técnica em design de interiores.

Ressalte-se que atividades que visem a alterações nos elementos estruturais devem ser aprovadas e executadas por profissionais capacitados e autorizados na forma da lei.

(Lei nº 13.369/2016 - DOU 1 de 13.12.2016)

 

revista Sucesso, arquitetura, Designer de interiores, bem estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Um Projeto Funcional e Aconchegante
  2. Decoração para durar para sempre
  3. Cimento queimado, concreto e tijolinhos: onde...
  4. Seis motivos para escolher um revestimento...
  5. Quartos infantis criados para incentivar...