Revista Sucesso

Atualizado em 30/11/2016

Saúde

Como as crianças aprendem a falar

Fonoaudióloga Ariane Cardoso Ikeuchi escreve sobre o processo de aquisição de fala, linguagem e língua das crianças

Da redação

Você já parou para pensar que não importa em que local do mundo esteja uma criança, seja em uma aldeia isolada ou em uma grande metrópole, ela aprenderá e se comunicará por meio de uma língua? Já refletiu sobre o fato de que é nos primeiros anos de vida que ocorre o aprendizado da linguagem, um dos fenômenos científicos mais complexos? Entender como as crianças adquirem a língua materna e descrever cientificamente os processos envolvidos neste fato é uma questão que intriga, envolve e divide cientistas das áreas da linguística, filosofia e ciências médicas há séculos. Um grupo acredita que a capacidade linguística é inata, puramente biológica; outra linha de pesquisa defende que a aquisição da linguagem depende, sobretudo, da reação a estímulos do contexto social e cultural; e, por fim, há quem mescle as duas teorias, ou seja, acreditam que a linguagem, embora dependa de bases biológicas e neurofuncionais, também se molda a partir do contexto sociolinguístico no qual o indivíduo está inserido.

Conhecer, sob a ótica da linguística, as definições destes três termos – linguagem, língua e fala – é fundamental para a compreensão dos fenômenos fascinantes que envolvem a comunicação humana. Linguagem é, em sentido amplo, um termo que se aplica às diferentes formas que os seres vivos possuem ou adotam para se comunicar. Língua é definida como um conjunto de códigos (signos) e de regras de estruturação (gramática) de um determinado grupo linguístico. Existem várias línguas diferentes espalhadas pelo globo terrestre que são utilizadas como forma de linguagem para o ser humano se comunicar. Fala é o ato motor (articulação) da produção linguística. É uma das formas de expressar a língua e a linguagem.

Quando nasce um bebê, logo queremos nos comunicar com ele. Mas, inicialmente, não há muito sucesso nas tentativas, não é mesmo? Ao nascerem, os bebês são capazes de ouvir e sentir os estímulos sensoriais que produzimos, mas ainda não os interpretam, pois suas reações são reflexas. Para aprender, combinar e produzir os sons da língua, a criança passa por etapas de aquisição fonêmica e fonológica. Há uma ordem natural para esse processo e, depois de adquirido, o som passa a ser “testado” pela criança. Entre um ano e meio e quatro anos, é quando ela adquire maior número de fonemas. Após os quatro anos, adquire sons mais complexos.

Fique sempre atento à fala de seu filho e lembre-se: o fonoaudiólogo é o profissional capacitado para avaliar, descrever a fala da criança e, assim, afirmar se as trocas são naturais para a idade ou se existem desvios ou condições patológicas; e para orientar e intervir nas alterações da linguagem infantil.

Ariane Cardoso Ikeuchi, fonoaudióloga (CRFa3. 10.631), mestre em estudos da linguagem (Facebook: Fonoaudióloga Ariane Cardoso)
Centro de Desenvolvimento do Potencial Humano
Rua Fernando de Noronha, 720, Londrina PR - (43) 3026-7990
Site: www.cdph.com.br

fonoaudiologia, fala, língua, linguagem, desenvolvimento
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Nutrição infantil : como colocar bons hábitos...
  2. Depressão em Crianças
  3. Hipertensão arterial
  4. Alimentação e Diabetes
  5. A IMPORTÂNCIA DO PILATES NAS PATOLOGIAS DA...