Revista Sucesso

Atualizado em

Saúde

Candidíase uma doença típica do verão

“Além das roupas de banhos úmidas, outro fator que pode causar a doença é o uso de roupas muito apertadas, calcinhas de tecidos sintéticos e o uso de antibióticos. Este tipo de medicamento pode alter

Da redação

A candidíase é uma infecção causada pelo fungo Candida, normalmente da espécie albicans que provoca coceira intensa, vermelhidão e placas esbranquiçadas, afetando principalmente a boca e os órgãos genitais de homens ou mulheres.

A candidíase tem cura e o seu tratamento pode ser feito com pomadas ou remédios que eliminam os fungos que estão provocando essa doença, ajudando no alívio dos sintomas.
Este tipo de fungo vive no organismo humano, mas o sistema imune é capaz de evitar a sua proliferação exagerada. Porém, quando o corpo está mais fraco ou sofre alguma alteração hormonal, como após uma gripe ou durante a gravidez, estes fungos podem se reproduzir de forma exagerada causando a candidíase.

O verão está agitando as praias e piscinas de todo o país e junto com o alto astral contagiante da estação, as mulheres devem ter cuidado redobrado com a candidíase.

Segundo o ginecologista e obstetra Élvio Floresti Junior, os fungos agentes causadores deste mal preferem locais quentes e úmidos. E nesta época, além do calor, também é comum o uso prolongado de roupas de banho como biquínis e maiôs, fazendo com que a frequência dessa doença seja bem maior.

“Além das roupas de banhos úmidas, outro fator que pode causar a doença é o uso de roupas muito apertadas, calcinhas de tecidos sintéticos e o uso de antibióticos. Este tipo de medicamento pode alterar a flora de proteção vaginal e facilitar o aparecimento da candidíase”, explica o especialista.

Dentre as diversas espécies de fungo agente da candidíase está a Candida Albicans, que é o fungo mais frequente. Este fungo praticamente está presente em nosso organismo e normalmente fica localizado no intestino sem fazer mal algum. “Quando há queda de resistência do organismo ou modificação do ph vaginal, este fungo, por ser oportunista, prolifera e causa os sintomas conhecidos como irritações, pruridos, entre outros. É importante ressaltar que você não adquire o fungo na praia, apenas dá para eles um ambiente favorável para se desenvolver rapidamente”, esclarece doutor Élvio.

Entre as principais medidas para evitar a candidíase nesta época do ano estão a preferência por calcinhas de algodão, evitar o uso de calças apertadas ou de materiais sintéticos, não ficar muito tempo com o mesmo biquíni molhado na praia ou na piscina e optar por saias e roupas leves ao invés de calças jeans, já que a região não fica tão apertada.

A medida mais indicada é procurar um especialista para um diagnóstico efetivo da doença feito por um exame ginecológico.

“Após a consulta com um ginecologista, o tratamento é feito com cremes vaginais fungicidas associados ao tratamento oral. Mas caso a ocasião não permita que a pessoa busque ajuda médica rapidamente, outra opção são os tratamentos com banhos de assento feito com bicarbonato de sódio ou ácido bórico”, alerta. Existem diversos tipos de tratamentos para a candidíase, mas a reincidência é muito frequente. Por isso, muitas vezes o tratamento deve ser feito por um período mais longo.


Doutor Elvio Floresti Junior é ginecologista e obstetra formado pela Escola Paulista de Medicina desde 1984. Possui título de especialista em ginecologia e obstetrícia pela Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e título de especialista em colposcopia. Além disso é especializado em histerectomia vaginal sem prolapso uterino [sem necessidade de corte abdominal]e está atualizado com as últimas técnicas cirúrgicas como sling vaginal Realiza pré-natal especializado e atua em gestações de alto risco.

 

revista sucesso, bem estar, saúde, Candidíase, verão
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Dores crônicas têm impacto direto na saúde e...
  2. Dores nos ombros: o que pode ser?
  3. Câncer de mama: ainda um tema cercado por mitos
  4. Tatuagem: prós e contras do procedimento
  5. Depressão e ansiedade: atividades físicas são...