Revista Sucesso

Atualizado em 11/09/2019

Qualidade de vida

A perigosa relação entre depressão e as mulheres

Entenda porque o 'mal do século' atinge tantas mulheres e descubra como vencê-lo sem o uso de antidepressivos

Da redação

Pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que mais de 300 milhões de pessoas no mundo sofrem com a depressão. No Brasil são mais de 11 milhões de pessoas atingidas, em sua maioria mulheres de 15 a 30 anos. Esse grupo é, também, o principal consumidor de antidepressivos, remédios contra ansiedade, crises de euforia e transtornos de humor.

Na linha de frente do combate ao uso indiscriminado desse tipo de medicação está a Dra. Kelly Brogan, autora do livro A Depressão Feminina. Recém lançado pela editora Cultrix, a obra nos explica porque devemos olhar a depressão como um sintoma e não uma doença e nos ensina a tratá-la de uma forma livre de medicações, apoiada em hábitos saudáveis e técnicas para controle do estresse.


Resultado de imagem para depressão feminina kelly


Dra. Kelly Brogan estudou Neurociência Cognitiva no MIT antes de se formar na Faculdade de Medicina Weill Cornell. Com título de especialista em Psiquiatria, Medicina Psicossomática e Medicina Holística Integrativa, ela é uma das únicas médicas dos EUA com essas qualificações. Ela fornece atendimento clínico em Manhattan e tem duas filhas pequenas.

Resultado de imagem para kelly brogan

“A dra. Brogan afirma de forma convincente que os antidepressivos acarretam riscos à saúde e têm pouca eficácia no tratamento. Os leitores terão acesso a uma abordagem da saúde mental segura, eficaz e cientificamente embasada, sem o uso de medicamentos. ” – Professor-doutor Jeffrey Bland, membro do American College of Nutrition, autor de The Disease Delusion.

O aumento dos casos de ansiedade e depressão também alavancaram o consumo de medicamentos à base de clonazepam (princípio ativo de medicações contra ansiedade e depressão). Só no Brasil foram mais de 2 toneladas só em 2018. Para se ter uma ideia, medicamentos analgésicos à base de dipirona ou pomadas para assadura foram menos utilizadas nesse mesmo período.

Dra. Kelly afirma que há uma crise no estilo de vida da paciente que necessita ser redefinido. Isso porque os sistemas do corpo humano são interconectados e quando estão em desequilíbrio manifestam essa “pane” em forma de ansiedade, depressão, euforia e outras mazelas psíquicas.


“Inovador, brilhante e repleto de ideias práticas e instrumentos para acabar com a depressão e a ansiedade sem medicamentos, A Depressão Feminina é um esforço excepcional que mudará sua atitude em relação à saúde e ao bem-estar mental.” – Dra. Sara Gottfried, autora de The Hormone Reset Diet e The Hormone Cure.


Outra bandeira erguida por ela é contra a indústria farmacêutica e o uso indiscriminado de medicações. O mercado por trás da venda desses medicamentos – que só mascaram os problemas sem chegar perto da cura – movimenta bilhões. Segundo o Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico, em 2016, a indústria nacional registrou faturamento de R$ 63,5 bilhões.

Ancorada em suas pesquisas e vivências como psiquiatra, Dra. Kelly nos relata de forma esclarecedora os caminhos para a pessoa se livrar da depressão sem agredir seu corpo com medicações. Seu espírito feminista e libertador está presente nas páginas de A Depressão Feminina pronto para dar fim aos problemas de saúde mental das mulheres.

Mãe Sabe Das Coisas, Editora Sucesso, Sucesso Londrina, Revista Sucesso, Revista Bem-estar, Londrina, Mulher, Depressão, A Depressão Feminina
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Cuidados com seu pet no verão!
  2. Os benefícios da fisioterapia para pacientes...
  3. Cuidados dermatológicos para pacientes com...
  4. Novembro Azul: 8 mitos e verdades sobre o câncer...
  5. Aplicativo chega para revolucionar a farmacinha...